terça-feira, 17 de outubro de 2017

La obra de un cantautor honesto

"Tímido y frágil, su voz fue única por su timbre y sonoridad y una afinación exacta y precisa.

Y aun así nunca le agradaron lo más mínimo las luces de los escenarios. Para Afonso, tener que cantar ante un público era como tener que sacarse un diente. “Nunca canto por gusto” decía y es que Zeca, más que intérprete era un creador y un docente.

Y como muchos artistas y creadores, nunca se preocupó del aspecto comercial de su arte. Por eso cuando a mediados de los 80 contrae una extraña enfermedad llamada esclerosis amiotrófica mejor conocida como enfermedad de Lou Gehrig, en referencia al beisbolista americano de los años 30 que también la sufriera, y a medida que la dolencia va acabando con su salud y con su vida, Afonso también fue hundiéndose en la ruina económica hasta terminar en una pobreza extrema cercana a una indigencia por demás indigna de su talento y relevancia.

Como escribió alguien alguna vez, Afonso murió pobre porque nunca pactó con el sentido común, con la comercialidad, con el poder, con lo fácil y gratuito. Él mismo decía: “salvo excepciones somos un país de cantineros y de vendedores, que vendieron en las Áfricas, en Brasil, en Extremo Oriente… Ahora somos un país de pequeños comerciantes y estamos a vendernos los unos a los otros”.

José Afonso nunca aceptó venderse ni vender a nadie y además de ser el renovador de la música portuguesa fue la voz de los que no tenían voz, fue el más humilde de los humildes, fue el alma de las víctimas de la injusticia y la iniquidad. En un homenaje que le hicieron en Braga en 1984 dijo “Importa mantener la capacidad de indignación y seremos capaces de rechazar la hipocresía de quienes detentan el poder”.

daqui:

http://periodistas-es.com/grandola-vila-morena-los-30-anos-la-muerte-zeca-afonso-82186

Tradução livre

"Tímido e frágil, sua voz era única por seu timbre e sonoridade e um ajuste exato e preciso.

E, no entanto, ele nunca gostou das luzes do palco. Para Afonso, ter que cantar ante o público era como ter que tirar um dente. "Eu nunca canto por prazer", disse ele e é isso Zeca, mais do que o intérprete foi um criador e um professor.

E, como muitos artistas e criadores, nunca se importou com o aspecto comercial de sua arte. É por isso que, quando em meados dos anos 80, contraiu uma doença estranha chamada esclerose amiotrófica mais conhecida como doença de Lou Gehrig, em referência ao jogador de basebol americano dos anos 30 que também sofreu, e como a doença ia acabando com sua saúde e com a sua vida, Afonso também foi afundando na ruína económica até terminar numa pobreza extrema, perto de uma indigência indigna de seu talento e relevância.

Como alguém escreveu uma vez, Afonso morreu pobre porque nunca pactuou com o sentido comum, com comercialidade, com o poder, com o fácil e gratuito. Ele mesmo disse: "salvo exceções, somos um país de cantineiros e vendedores, que venderam em África, no Brasil, no Extremo Oriente ... Agora somos um país de pequenos comerciantes e estamos a vender-nos uns aos outros".

José Afonso nunca aceitou vender-se nem vender a ninguém e além de ser o renovador da música portuguesa era a voz daqueles que não tinham voz, era o mais humilde dos humildes, era a alma das vítimas da injustiça e da iniquidade. Num tributo feito em Braga em 1984, ele disse: "É importante manter a capacidade de indignação e seremos capazes de rejeitar a hipocrisia daqueles que detêm o poder".


Este desenho de Xulio Formoso de Zeca Afonso, tem um erro. Penso que não terão qualquer dificuldade em identificar esse erro.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O Sul de José Afonso

Depoimento de José Louro

"Fosse em Santo António do Alto, um miradouro isolado no topo de Faro, fosse no teu barco com o António Barahona e o Pité, fosse em nossa casa, quantas cantigas tuas se eclipsaram no mesmo éter, no mesmo vazio. Tu pegavas na tua viola (eras o único, entre nós, que dedilhava as cordas e, mesmo assim, lastimando e protestando que os teus dedos não iam além das duas posições básicas de, como dizias, acompanhar o teu “tem grelinhos, tem grelinhos no quintal” ou o “caga cão, caga gato, caga o feijão carrapato”) e, versejando um provisório lá-lá-rá-lá-lá, pedias insistentemente que decorássemos tal improviso para, no dia seguinte, arranjarmos qualquer modo de o gravar. Só que o nosso ouvido e a nossa memória novamente dissipavam o que poderia ter sido uma coisa bonita saída do teu talento. Merda! – dizias tu, nunca mais consigo arranjar um desses gravadores portáteis!

É que o dinheiro era pouco e, quando no dia 30 ias à livraria pagar os livros fiados durante o mês, lá ficava uma boa parte do teu ordenado de professor, e o que restava lá se convertia em muitos pequenos-almoços, almoços, jantares e ceias reduzidos a uns tantos copos de leite! E lá vinha agora uma nova revoada de protesto contra o leite, através da frase: “Ó pá, estou cheio de gases!” A vida era dura."

(...)

"Saio dessas sessões [atuais de homenagem ao Zeca] e penso no cheiro a lodo com que tu chegavas à praia de Faro, para dormir numa tenda em pleno areal, após teres atravessado o Parchal, em competição com aqueles de nós que seguiam enxutos pela estrada; penso nas tuas peúgas, uma de cada cor, ou até na ausência delas por já não haver mais na gaveta; penso na tua gravata com um nó perene que, à entrada na escola, enfiavas ao pescoço, quer houvesse um colarinho, quer um cós de t-shirt; penso na tua voz, com dias de limpidez total e com dias em que afirmavas que “qualquer galinha choca me faz concorrência”."

daqui:

http://www.postal.pt/2017/04/sul-jose-afonso/

José Afonso com amigos no Café Santa Maria, na praia de Faro (Verão de 1963)


Ilha da Fuzeta - o paraíso de Zeca Afonso

"A Fuzeta é muito conhecida pelo Zeca Afonso, que tinha aqui família. A minha infância era passada na ilha durante o Verão com amigos e recordo-me de que o Zeca Afonso gostava imenso deste local. Era uma pessoa muito simples e fazia ali muitas noitadas com a sua viola." (1)

"Antigamente, era uma alegria de dia e noite para toda a gente. Depois do pôr do Sol acendiam-se fogueiras e todos se divertiam. Lembro-me do Zeca Afonso, havia guitarradas e muita farra até às tantas da madrugada. A mulher dele veio aqui no início deste ano (2010) e depois de ter visto como está esta praia limitou-se a dizer: 'O que isto era e o que isto é…'" (2)

(1) José Brás, presidente da Junta de Freguesia em 2010
(2) Rogério Martins antigo pescador e agora barqueiro

daqui: https://www.dn.pt/portugal/sul/interior/quando-a-ilha-da-fuzeta-era-o-paraiso-de-zeca-afonso--1518630.html

foto: Zeca a passear na praia da Fuzeta.

Era um gajo porreiro

Vitorino

"Conheci-o nos meus vinte anos quando o Zeca Afonso era professor numa escola secundária em Faro. Já antes conhecia a sua música, de o ouvir clandestinamente. Os primeiros que ouvi dele foi o “Menino do Bairro Negro” e os “Vampiros”.

Nessa altura eu andava na tropa e vi um projeto que anunciava o doutor José Afonso, na Casa dos Pescadores de Olhão. Eu e outros recrutas fomos lá ouvi-lo. Ele movimentava as pessoas com um sentido que ia muito além da música. Ele simbolizava o reviralhismo, o movimento contra a ditadura. Sabíamos bem de que lado ele estava.

Professor de esquerda, da escola do existencialismo, não punha gravata.

Um dia antes de um concerto ele pediu-me para lhe afinar a viola. Ficámos amigos desde então e nunca mais deixámos de o ser. Passámos pela revolução. Acompanhei-o antes e depois do 25 de Abril. Era um homem expansivo, sanguíneo q.b. e profundamente solidário em todas as circunstâncias.

(...) Era um gajo porreiro, um amigo que faz falta, com uma atitude ética e social irrepreensíveis e que deixou uma obra única na música europeia."
.
daqui:http://expresso.sapo.pt/cultura/2017-02-23-Um-gajo-porreiro-um-amigo-que-faz-falta
.
foto: Zeca, Vitorino e Carlos Alberto Moniz



terça-feira, 10 de outubro de 2017

Bagão Félix

"Era impossível não gostar de Zeca Afonso. A não ser por preconceito redutor. Fez parte do meu encantamento, enquanto jovem, ainda antes do 25 de Abril, faz parte do meu castelo do que em memória, está dentro de mim.

Era um homem simples, generoso, ingénuo até. Sensível, genuíno, autêntico. Sem biombos ou disfarces. Competente. Com alma.

Um cantautor irrepetível. Abriu novos caminhos à boa e cristalina música portuguesa de raiz popular e eclética. Chegava às pessoas, não pela via da agora tão em moda sofisticação forçada e liofilizada, mas pela singeleza da naturalidade, pela beleza da musicalidade e pela mensagem da poesia.

Zeca Afonso permanece em nós na decantação da memória e no registo da gravação de que continuamos a usufruir no tempo que há para além do seu tempo. Através dessa presença memorial e da sua voz renascida em cada momento em que nos continua a chegar docemente aos ouvidos, pode sentir-se a radicalidade da boa saudade, feita da confluência entre a presença ausente e a ausência presente. Onde cabe a alegria, a quietude, a estética. E a esperança."

daqui:

http://expresso.sapo.pt/cultura/2017-02-23-Uma-voz-renascida-em-cada-momento

domingo, 8 de outubro de 2017

Zeca na Aula Magna

José Afonso num friso, com personalidades que tiveram, segundo o autor J. Conde Corbal, interesse na Galiza do séc. XX, pintado na Aula Magna da Faculdade de Económicas da Universidade de Santiago de Compostela.

imagem daqui:

http://www.usc.es/econo/Conde/Conde51.htm

sábado, 7 de outubro de 2017

Regresso de Moçambique - Agosto de 1967

"Quando o barco atracou no cais de Alcântara (setembro de 1967), a única pessoa que o esperava era um jornalista da rádio, Adelino Gomes, a quem declara estar na disposição de ser exclusivamente professor, porque era seu propósito firme abandonar as cantigas. Este informa-o que havia grandes expectativas à volta dele, ao que Zeca respondeu:

“Vou para o Algarve, vou deixar de cantar, porque isto de cantar não quer dizer nada, não interessa a ninguém”; explicando-lhe ainda que não lhe daria a entrevista que lhe solicitava porque já não se considerava um cantor. Perante a insistência: “Mas você não pode deixar de cantar, você é extremamente importante, para os estudantes, para a malta, aquilo que você canta diz-nos tanto, é através da sua voz que nós chegamos lá. Nós na rádio quando queremos dizer qualquer coisa dizemo-lo através das suas canções”, lá lhe deu a entrevista.

José Afonso referir-se-á mais tarde a esta importância “exagerada” que encontrou no regresso de Moçambique “fui rodeado por um mito quase sebastianístico (…) constatei com alguma surpresa, que à minha volta se formava um clima de expectativa, como se eu viesse trazer alguma coisa de novo (…) Parecia que as pessoas queriam manifestar-se e não sabiam como. E agora estava ali um tipo que falava em vez deles”

.
.

daqui:http://www.jornalmapa.pt/2017/02/11/panegirico-jose-afonso/

Adelino Gomes, Público, 23 de Fevereiro de 1992

Aqui o Adelino refere a chegada de Zeca em setembro. Zeca embarca em agosto e chega em setembro a Portugal.


Pintura: Acrílico sobre tela, 50x70cm de Josefa Moura​